Vendedores serão retirados das imediações do Banco do Brasil em Piripiri

A gerência do Branco do Brasil de Piripiri, justificando medida de segurança, solicitou à Prefeitura e Ministério Público a retirada dos vendedores que montam suas barracas na calçada lateral e também na frente do Branco do Brasil, na rua Professor Bem e avenida 4 de Julho. Uma audiência foi realizada na sede do MP, nesta semana.

O promotor Nivaldo Ribeiro, em entrevista concedida ao site, explicou que, para que recebeu um ofício do gerente do BB, Josias Teixeira, questionando a presença dos vendedores nas calçadas, em desconformidade com a legislação e citando o código de postura do município, bem como o fluxo de pedestres. Na audiência, ele também alegou que traz insegurança à agência bancária.

Com a presença dos vendedores, do representante da SUTRAN, da procuradoria do Município e do Banco do Brasil, o Ministério Público fez um termo em que a Prefeitura se compromete em apresentar, em 60 dias, um projeto do local para os vendedores. Enquanto isso, os trabalhadores permanecem como estão. São aproximadamente 30 famílias que dependem dessa atividade.

Novo local
O projeto será para a Rua Leônidas Melo, ao lado do Paraíba, próximo ao Colégio Antônio Ferreira Neto. A proposta é que o trecho fique interditado, do início da manhã até o horário do final das atividades dos vendedores, por volta de 13h. O local não agradou os profissionais, que querem um ponto definitivo e adequado.

A gerência do Branco do Brasil de Piripiri, justificando medida de segurança, solicitou à Prefeitura e Ministério Público a retirada dos vendedores que montam suas barracas na calçada lateral e também na frente do Branco do Brasil, na rua Professor Bem e avenida 4 de Julho. Uma audiência foi realizada na sede do MP, nesta semana.

O promotor Nivaldo Ribeiro, em entrevista concedida ao site, explicou que, para que recebeu um ofício do gerente do BB, Josias Teixeira, questionando a presença dos vendedores nas calçadas, em desconformidade com a legislação e citando o código de postura do município, bem como o fluxo de pedestres. Na audiência, ele também alegou que traz insegurança à agência bancária.

Com a presença dos vendedores, do representante da SUTRAN, da procuradoria do Município e do Banco do Brasil, o Ministério Público fez um termo em que a Prefeitura se compromete em apresentar, em 60 dias, um projeto do local para os vendedores. Enquanto isso, os trabalhadores permanecem como estão. São aproximadamente 30 famílias que dependem dessa atividade.

Novo local
O projeto será para a Rua Leônidas Melo, ao lado do Paraíba, próximo ao Colégio Antônio Ferreira Neto. A proposta é que o trecho fique interditado, do início da manhã até o horário do final das atividades dos vendedores, por volta de 13h. O local não agradou os profissionais, que querem um ponto definitivo e adequado.

Fonte: Piripiri de fato