Câmara de Vereadores acata denúncia que pede afastamento da Prefeita Carmem Gean em Brasileira

A prefeita Carmem Gean foi denunciada na Câmara de Vereadores e pedido o afastamento do cargo de prefeito por atos de improbidade administrativa.

A denúncia foi protocolada pela servidora pública Maura Fernanda de Sousa Borges baseada no Decreto-Lei 201/67 que autoriza a Câmara a pedir a cassação de prefeitos que incorrerem em crimes de improbidade administrativa.

A denúncia, que foi acatada pela Câmara na sessão do último dia 10, com pedido de afastamento do cargo é embasada em diversos crimes que, uma vez comprovados, de fato justificam o afastamento da prefeita. Dentre eles está a dispensa de licitação sem nada que a justifique, desvio de dinheiro público, danos ao erário, todos eles previstos na Lei 8.429/92.

Conforme a denúncia, acatada em caráter de urgência da sua admissibilidade, a prefeita é também denunciada por enriquecimento ilícito e ressarcimento dos danos patrimoniais causados ao município de Brasileira.

FRAUDE NO TRANSPORTE ESCOLAR

Na denúncia, seríssima por sinal, consta a contratação SEM LICITAÇÃO da empresa JOAQUIM JOSÉ DE MELO (Transjordana) para a prestação de serviços de transporte escolar em quatro parcelas de R$33.498,52. A contratação foi publicada no Diário Oficial em 04/12/2019. A prefeita já havia realizado outra dispensa de licitação para contratação de transportes escolar, com a mesma empresa, no valor de R$ 17.386,00, com fundamento no art. 24, II da lei 8.666/93. No total, a empresa recebeu R$ 151.378,00.

A Comissão Parlamentar de Inquérito formada por 3 (três) vereadores sorteados já notificaram a prefeita para apresentação de defesa. Caso a denúncia seja julgada procedente, em sessão de julgamento no plenário por 2/3 dos vereadores, a prefeita Carmen Gean será afastada do cargo, com perda de mandato.

 Fonte: PortalBrasileira.

Jovem envolvido em acidente de moto não resiste e vem a óbito

O jovem Francisco Tállysson não resistiu aos ferimentos após uma forte batida de moto na manhã do último sábado,15  na rua Capitão Manoel de Oliveira bem na entrada do canto das palmas, o mesmo perdeu o controle de sua moto vindo a subir uma calçada, houve muito derramamento de sangue, o mesmo ainda foi socorrido pelo SAMU mas não resistiu, Tállysson morava com sua avó no bairro anajás e era filho do advogado Gilberto Moreira.

Morador da vista alegre tem casa incendiada e pede ajuda

 

Seu nome é Milton é uma pessoa simples, com uma casa simples que não continha rede elétrica e água, o mesmo perdeu tudo em um incêndio ocorrido nesta quinta feira,13

qualquer ajuda neste endereço acima.

Professor da UESPI lança e-book gratuito sobre Webjornalismo no Piauí

 

Livro é resultado de uma pesquisa sobre os mais de 20 anos de práticas webjornalísticas no estado

Qual o dever de um funcionário público durante a pandemia? O professor universitário e pesquisador Orlando Berti disse que não pode responder por todos mas, no caso dele, a resposta é oferecer ações e reflexões para a sociedade. Foi com essa resposta que o docente da UESPI – Universidade Estadual do Piauí – lançou esta semana o e-book de acesso gratuito Webjornalismo no Piauí.
A obra, que é publicada pela EdUESPI, trata sobre os mais de 20 anos do webjornalismo no estado, indo desde seu início, momentos de erros e acertos, passando pelo avanço na capital e interior e chegando a atualidade, trazendo o mais completo levantamento de sites jornalísticos já feito no Piauí.
“Desde 2018 venho pesquisando com mais profundidade o webjornalismo no nosso estado. Não só em Teresina, mas em todos os 224 municípios. É uma forma de contribuir para sistematizar tendências, fazer reflexões e refletir sobre a área. Esse é um dos papéis da universidade”, destacou o professor, que é jornalista, mestre, doutor e pós-doutor em Comunicação. “Sempre estudando fenômenos do nosso Piauí”, destaca o docente, que é natural da cidade de Floriano, mas já morou em Oeiras e Picos e hoje é baseado na capital do estado.
Webjornalismo no Piauí é o segundo livro solo do professor Orlando Berti. A obra tem 140 páginas e é dividida em quatro capítulos. O primeiro capítulo fala sobre o início do webjornalismo no estado. O segundo capítulo fala do avanço da área em todo o Piauí. O terceiro capítulo trata sobre os sites jornalísticos e suas questões regionais por meio dos 12 territórios de desenvolvimento. O quarto capítulo traz uma lista dos quase 250 sites webjornalísticos atualmente funcionando no Piauí. “É um livro para ser lido não só por quem é da área, mas por quem tem interesse em História, comunicação e entender mais um pouco sobre nosso Piauí”, falou.
Orlando Berti é professor da UESPI há quase 20 anos e tem feito pesquisas direcionadas à tecnologias atuais e cidadania. Ele também é autor de Como Passar em um Mestrado? que já vendeu mais de 2.000 cópias no País.
“Com a pandemia, o isolamento social e nosso trabalho em home office era mais que uma obrigação pesquisar. O livro sai em forma de e-book e gratuito como uma resposta direta ao conhecimento e a formação da sociedade, responsável por nosso salario”, disse Orlando Berti.


O livro pode ser acessado e baixado gratuitamente por este endereço eletrônico: https://editora.uespi.br/index.php/editora/catalog/view/12/12/89-1

MAIS INFORMAÇÕES
NOME DO LIVRO: WEBJORNALISMO NO PIAUÍ
AUTOR: Orlando Maurício de Carvalho Berti
EDITORA: EdUESPI – Editora da Universidade Estadual do Piauí
NÚMERO DE PÁGINAS: 140
ANO DE PUBLICAÇÃO: 2020
ENDEREÇO PARA O LIVRO SER ACESSADO GRATUITAMENTE: https://editora.uespi.br/index.php/editora/catalog/view/12/12/89-1

Operação da PF apura superfaturamento na compra de água sanitária para combate à Covid

A Polícia Federal em parceria com a Controladoria Geral da União (CGU-PI), deflagrou operação NaClo que apura o desvio de recursos públicos federais destinados ao combate à Covid-19 na cidade de União do interior do Piauí. A investigação aponta que a Secretaria de Saúde da cidade teria gastado R$ 293 mil na aquisição de litros de água sanitária superfaturados. Enquanto um galão com 5 litros de hipoclorito de sódio 2% custa no mercado local em média R$ 20, mesmo durante a pandemia, o mesmo teria sido comprado a R$ 48,80, o que representa um superfaturamento de 144%.

Na operação deflagrada nesta quinta-feira (13) estão sendo cumpridos seis mandados de busca e apreensão nas cidades de Teresina e União, expedidos pela Justiça Federal de Teresina.

A água sanitária foi adquirida pelo município para a higienização de ruas da cidade de União, que tem uma população de aproximadamente 45 mil habitantes. O nome da operação NaClo é decorrente da fórmula da composição química do hipoclorito de sódio.

A investigação da PF aponta que foram identificados indícios razoáveis de fraude ao processo licitatório, tal qual utilização de propostas inidôneas e superfaturadas de duas empresas no intuito de direcionar o certame a uma delas, bem como justificar o preço superfaturado apresentado pela empresa vencedora.

Ao todo, 30 policiais federais e dois auditores/técnicos da CGU/PI para o cumprimento dos mandados judiciais que buscam colher elementos de prova que confirmem a tese de fraude ao processo licitatório, superfaturamento do contrato, entre outras práticas criminosas, bem como verificar se a primeira empresa efetivamente entregou ao município de União 6 mil unidades de galões de 5L de água sanitária.

Os investigados poderão responder, na medida de suas culpabilidades, pelos crimes de associação criminosa, desvio de recursos públicos e fraude a licitação, cujas penas somadas podem chegar a 20 anos de reclusão.

Fonte: Cidadeverde.com

Prefeito Luiz Menezes responde denúncia feita na TV Band/PI

 

O prefeito de Piripiri Luiz Menezes, através de suas redes sociais veio à público esclarecer, sobre uma reportagem de doação de terrenos que envolvida o seu nome.

“Com relação à matéria divulgada pela Televisão Band, que aborda denúncia vazia e sem fundamento, usada pela oposição desde 2012, e que agora é novamente requentada pelos nossos adversários, venho, com toda tranquilidade e compromisso com a verdade, trazer, mais uma vez, os esclarecimentos ao povo piripiriense, que já conhece bem toda essa história.

Trata-se da nossa luta histórica para resgatar para o município, o complexo do antigo Parque de Exposições que, como é de conhecimento público e notório, estava sendo comercializado e apropriado por indivíduos da antiga Associação Rural, que detinham a posse do imóvel, com a participação do ex-prefeito e o apoio da ex-vereadora, hoje pré candidata a prefeita, e seus aliados”.

Em 2012, com base no princípio da autotutela, que rege a Administração Pública, expedimos o Decreto 943/2012 para que toda aquela área pudesse ser recuperada para o patrimônio público, sendo posteriormente praticados os demais atos legais, com vistas à preservação do interesse coletivo, conforme a orientação da nossa assessoria jurídica, à época.

De 2013 em diante, durante o mandato do gestor que me sucedeu, o mesmo fez o caminho inverso. Tomou medidas no sentido contrário, em “acordo” com os representantes da citada associação sindical, que continuaram vendendo a área do Parque como se fossem os seus proprietários.
Tudo se deu através de um acordo irresponsável, homologado entre o ex-prefeito e seus aliados, que comandavam a associação, retirando da prefeitura o Parque de Exposições e permitindo que os envolvidos, através desse esquema, negociassem a área como se a mesma fosse particular.
Nesse período, fizeram desaparecer e extraviaram documentos públicos, prática essa que inclusive levou à busca e apreensão judicial e detenção de envolvidos, como o ex-prefeito, pouco tempo depois.

Quando reassumimos o município, em 2017, com o apoio do nosso povo, diante da gravidade dos fatos, recorremos novamente à Justiça e, finalmente, após decisão judicial, recuperamos o Parque de Exposições de volta para o patrimônio público.
Algumas imagens estão marcadas na mente da nossa população quando, por ordem da Justiça, foram derrubados, já no ano de 2018, os muros particulares, edificados por sócios da família do ex-prefeito, na Avenida Deputado Raimundo Holanda.
Hoje, toda aquela área, devido ao nosso esforço, pertence ao povo de Piripiri e está devidamente preservada, onde, muito em breve, acontecerão vários investimentos públicos, como já anunciamos.
Frustrados com essa situação, os nossos opositores, que estavam a se apropriar desse patrimônio, até hoje, tentam, de forma inútil, confundir a população.

Nenhum imóvel foi transferido em pagamento para qualquer advogado que atuou em defesa do município. Todos os atos praticados ou anulados por mim, administrativamente, foram analisados pela Justiça, em ação de nossa iniciativa que resultou na recuperação do Parque de Exposições para o povo de Piripiri.
Lamentamos o tipo de jornalismo, praticado pela citada emissora, que não nos ouviu, e a politicagem suja, apelativa e irresponsável da oposição.
Lembro que essas mesmas baixarias foram feitas quando iniciamos o processo de construção do Centro Administrativo.
Tem sido sempre assim: enquanto nós trabalhamos eles preferem mentir e caluniar.

Para maiores detalhes, os atos públicos, sobre essa questão, estão à disposição de todos, no processo número 114-66.2017.8.18.0033, na Comarca de Piripiri, que culminou com mais essa vitória em nome do nosso povo. Os mesmos serão enviados à Tv Band.

Luiz Menezes

Prefeito Luiz Meneses inaugurou na noite ontem quarta feira 12, a sede própria do CAPS II

O prefeito de Piripiri, Luiz Meneses inaugurou na noite desta quarta feira, dia, 12, a sede própria do CAPS II, uma obra pioneira no interior do Piauí, que homenageia o saudoso médico Dr. Bruno Brandão, vítima de acidente automobilístico.

A nova sede do CAPS II é ampla, com dormitórios e terá cerca de 30 profissionais dando suporte para aproximadamente 3 mil usuários.

Inauguração do Caps II

Posted by Prefeitura de Piripiri on Wednesday, August 12, 2020

Corpo de Bombeiros afirma que Shopping da Cidade não tem Atestado de Regularidade

Inaugurado há 11 anos, o Shopping da Cidade nunca teve Atestado de Regularidade junto ao Corpo de Bombeiros do Piauí.  A informação é do tenente-coronel José Veloso, diretor de Engenharia da corporação.

O Shopping da Cidade sofreu um incêndio na noite de ontem, mesmo data em que reabriu as portas após passar quase cinco meses fechado por causa da pandemia de Covid-19. Pelo menos 16 boxes foram destruídos pelo fogo.  Ainda não se sabe o que causou as chamas.

O tenente-coronel José Veloso explica que o estabelecimento ter o Atestado de Regularidade comprova que ele está regular com as normas do Corpo de Bombeiros do Piauí.

“O Shopping da Cidade não está regularizado junto ao Corpo de Bombeiros e eles estão sujeitos a penalidades. Será aberto um procedimento no sentido de apuração de fatos. O Shopping  está sujeito às penalidades da lei 5483. As penalidade previstas nessa lei vão de multa a interdição. O Atestado de Regularidade é o documento que diz que o empreendimento  está regularizado no Corpo de Bombeiros, que diz que o  prédio oferece as condições mínimas de segurança contra incêndio e pânico.  Se não tem o atestado, não tem o aval do Corpo de Bombeiros”, afirma o diretor de Engenharia do Corpo de Bombeiros do Piauí.

Entre as exigências do Atestado de Regularidade estão a instalação de alarmes de incêndio, saídas de emergência, extintores, brigada de incêndio, chuveiros automáticos, placas de iluminação, dentre outros. A perícia vai apurar se, mesmo sem o Atestado de Regularidade, o Shopping da Cidade tinha os itens instalados.

O tenente-coronel Veloso acredita que o resultado da perícia, realizada na tarde de hoje, só deve ficar pronto em 30 dias.

A Assessoria de Comunicação do Shopping da Cidade informou que não vai se manifestar sobre o assunto. O Cidadeverde.com entrou com em contato com administração do estabelecimento, que garantiu ter o Atestado de Regularidade, mas disse que não poderia disponibilizar o documento à reportagem.

Cidadeverde.com 

Rússia anuncia primeira vacina contra a covid-19

O presidente Vladimir Putin anunciou nesta terça-feira (11) que a Rússia registrou a primeira vacina do mundo contra o novo coronavírus. Ele garantiu que sua filha já tomou a vacina e que ela estará disponível a partir de janeiro. A decisão é questionada e a Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu o cumprimento dos protocolos e dos regulamentos.

O Ministério da Saúde russo deu a aprovação regulatória para o produto, desenvolvido pelo Instituto Gamaleya de Moscou, após menos de dois meses de iniciados os testes em humanos.

“Esta manhã foi registrada, pela primeira vez no mundo, uma vacina contra o novo coronavírus”, disse Putin durante reunião com membros do governo.

De acordo com o presidente, o produto é “eficaz” e superou todas as provas necessárias, além de permitir uma “imunidade estável” face à covid-19. Putin garantiu também que uma das suas duas filhas já recebeu uma dose e que se está se sentindo bem.

“Uma das minhas filhas tomou a vacina”, afirmou. “Dessa forma, ela participou da experiência. Depois da primeira vacinação, ela teve 38 graus de febre, no dia seguinte 37, e foi apenas isso”.

A Rússia espera agora poder iniciar a aplicação em massa, mesmo que estejam ocorrendo ainda testes clínicos para comprovar a segurança da vacina. As autoridades russas já tinham anunciado que os profissionais de saúde, professores e outros grupos de risco serão os primeiros a serem imunizados.

A vice primeira-ministra da Rússia, Tatyana Golikova, disse que a vacina vai começar a ser administrada a profissionais de saúde, a partir de setembro, e que estará disponível ao público em geral a partir de 1º de janeiro de 2021.

Decisão questionada
Muitos cientistas, no entanto, na Rússia e em outros países, questionaram a decisão de registrar a vacina antes que sejam completada a chamada Fase 3 do estudo – que, por norma, demora vários meses, envolve milhares de pessoas e é a única forma de provar que a vacina experimental é segura e funciona.

Nas últimas semanas, muitos cientistas expressaram preocupação com a velocidade em que estava sendo desenvolvida a vacina. A Organização Mundial da Saúde pediu “diretrizes claras” para o tratamento e o cumprimento dos protocolos e dos regulamentos em vigor.

Fonte: agenciabrasil