Obra na parede do açude Caldeirão promete reforçar segurança da barragem

Através do esforço e compromisso do prefeito Luiz Menezes, as obras de recuperação do Açude Caldeirão começaram definitivamente.

O trabalho é resultado de uma emenda do senador Ciro Nogueira atendendo a uma solicitação do prefeito de Piripiri.

Uma obra que foi prometida e propagandeada por todos os políticos nunca saiu da promessa e especulação.

Em fevereiro deste ano, em visita a Piripiri, a ordem de serviço foi assinada durante visita aos açudes Caldeirão e Anajás.

A obra é executada pelo DNOCS constando do projeto a recuperação da parede, incluindo a segurança do tráfego e compactação das estruturas de contenção.

Esta é uma conquista de grande importância para o povo de Piripiri e toda a região circunvizinha que viveu nos últimos anos o drama de um eventual rompimento da barragem.

Da assinatura da ordem de serviço à execução da obra decorreu menos de dois meses, considerado tempo recorde para uma obra dessa envergadura. “Esse é o resultado de quem se preocupa diuturnamente com o povo da minha cidade. Nunca fui de prometer, de vender ilusões ou enganar a população”, esclarece o prefeito Luiz Menezes. E prossegue: “a população de Piripiri, todos nós somos gratos ao senador Ciro Nogueira, um parlamentar sério, que tem muito atenção para conosco e finalmente a obra de recuperação é uma realidade. Não é promessa. Podem filmar, fotografar. Está lá para ficar na história. É isso que fazemos. História de gestões com compromisso”.

Prefeitura de Parnaíba volta a abrir comércio após decisão judicial

O procurador do município de Parnaíba, Ricardo Mazulo, informou ao Cidadeverde.com que a decisão judicial – que proibiu a abertura do comércio na cidade – valeu até ontem (13) e que a partir de hoje volta a vigorar o decreto do prefeito Mão Santa (DEM) liberando o funcionamento dos estabelecimentos comerciais.

No dia 28 de março, a juíza Anna Victoria Muylaert Saraiva Cavalcanti Dias, da 4ª Vara Cível de Parnaíba, determinou que o decreto do prefeito Mão Santa (DEM) de reabrir o comércio fosse suspenso por um período de 15 dias como medida para conter o novo coronavírus. A juíza, entre os argumentos, alegava que o decreto contrariava o que determina a OMS (Organização Mundial de Saúde) de praticar o isolamento social.

Segundo o procurador Ricardo Mazulo, a prefeitura  promoverá “retorno responsável” das atividades econômicas em Parnaíba e que a decisão judicial foi integralmente cumprida.

“Não houve prorrogação da decisão por parte da magistrada, e o prefeito Mão Santa, aconselhado pelo jurídico do município, resolveu adotar essa medida como forma, também, de manter empregos e renda para as famílias parnaibanas, principalmente aos que ficaram mais vulneráveis com a quarentena”, disse o procurador.

Segundo Mazulo, Mão Santa já acionou a Vigilância Sanitária para fazer toda a orientação necessária aos comerciantes e à população quanto aos procedimentos de prevenção.

Segundo a assessoria, o prefeito Mão Santa conversou com o presidente da Fecomércio, Valdeci Cavalcante, sobre a medida e disse que a saúde da população e os empregos precisam ser preservados.

“A partir de hoje, 14 de abril, volta a valer o decreto do prefeito Mão Santa, que possibilidade a abertura de forma responsável e com todos os cuidados que o prefeito sempre destacou, como distanciamento, a não aglomeração, o uso de máscaras e cuidados que as empresas devem ter para o não contágio das pessoas, disponibilizando álcool na entrada dos estabelecimentos para a população e seus funcionários”, disse.

Ação segue

Na defesa da ação, o procurador disse que argumentar que a prefeitura tem autonomia para adotar as medidas e que o mandado de segurança não é medida para essa ação.

“Vamos defender também que não há estudos científicos que comprovam a eficácia do isolamento social, principalmente no Brasil. Só acham que ajuda”, disse o procurador.

A Prefeitura garante ainda que o município não tem nenhum caso confirmado da doença.

Cidadeverde.com

Já estão disponíveis o aplicativo e site para solicitar auxílio de R$ 600

A Caixa Econômica Federal acaba de lançar o aplicativo para a solicitação do benefício do Governo de R$ 600 a R$ 1.200 para ajudar os trabalhadores autônomos, informais e microempreendedores individuais (MEIs) durante a pandemia do novo coronavírus. A solicitação do auxílio também já pode ser feita no site da Caixa.

 O valor será pago por três meses, mas poderá ser prorrogado pelo Executivo. Ao todo, 15 milhões a 20 milhões de trabalhadores informais não inscritos em programas sociais poderão baixar o aplicativo.

O auxílio é de R$ 600 ou de R$ 1,2 mil para as mães solteiras.  Após o registro feito e aprovado, o trabalhador poderá receber o benefício em até 48 horas. No próprio aplicativo, será verificado se o solicitante possui todos os requisitos para pedir o auxílio emergencial.

LINKS PARA SOLICITAR O BENEFÍCIO:
iOS: https://apps.apple.com/br/app/caixa-auxilio-emergencial/id1506494331

Android: https://play.google.com/store/apps/details?id=br.gov.caixa.auxilio

Acesso pelo site da Caixa:  https://auxilio.caixa.gov.br

Quem não tem conta em bancos poderá retirar o benefício em casas lotéricas. O próprio aplicativo, ao analisar o CPF (Cadastro de Pessoa Física) , verificará se o trabalhador cumpre os cerca de dez requisitos exigidos pela lei para o recebimento da renda básica.

Os beneficiários do Programa Bolsa Família, que não precisarão baixar o aplicativo, pois estes já estão inscritos na base de dados e entre os dias 16 e 30 poderão escolher se receberão o Bolsa Família ou a renda básica emergencial, optando pelo valor mais vantajoso.

O que é Auxílio Emergencial?

O Auxílio Emergencial é um benefício financeiro concedido pelo Governo Federal destinado aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados, e tem por objetivo fornecer proteção emergencial no período de enfrentamento à crise causada pela pandemia do Coronavírus – COVID 19.

Quem tem direito ao Auxílio

Pode solicitar o benefício o cidadão maior de 18 que atenda a todos os seguintes requisitos:

  • Esteja desempregado ou exerça atividade na condição de:

– Microempreendedores individuais (MEI);

– Contribuinte individual da Previdência Social;

– Trabalhador Informal.

  • Pertença à família cuja renda mensal por pessoa não ultrapasse meio salário mínimo  (R$ 522,50), ou cuja renda familiar total seja de até 3 (três) salários mínimos (R$ 3.135,00).

Quem não tem direito ao Auxílio

  • Tenha emprego formal ativo;
  • Pertence à família com renda superior a três salários mínimos (R$ 3.135,00) ou cuja renda mensal por pessoa maior que meio salário mínimo (R$ 522,50);
  • Está recebendo Seguro Desemprego;
  • Está recebendo benefícios previdenciários, assistenciais ou benefício de transferência de renda federal, com exceção do Bolsa Família;
  • Recebeu rendimentos tributáveis acima do teto de R$ 28.559.70 em 2018, de acordo com declaração do Imposto de Renda.

Como receber o Auxílio Emergencial

Desde que atenda às regras do Auxílio, quem já está cadastrado no Cadastro Único (CadÚnico), ou recebe o benefício Bolsa Família, receberá o benefício automaticamente, sem precisar se cadastrar.

As pessoas que não estão cadastradas no Cadastro Único, mas que têm direito ao Auxílio, poderão se cadastrar no aplicativo e site que serão divulgados pela CAIXA.

Mulher de 53 anos de Piracuruca testa positivo para COVID-19 afirma SESAPI

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) confirmou, nessa segunda-feira (06/04), mais dois casos de novo coronavírus no Piauí. O número de infectados pela doença chegou a 26 no estado.

Uma mulher de 53 anos, de Piracuruca, e um homem de 56 anos, de Teresina, testaram positivo para a Covid-19.

Casos suspeitos reduziram para 251 e descartados somaram 674. Há quatro mortes pela doença no estado.

O superintendente de Atenção a Saúde, Herlon Guimarães, explica a ausência de casos curados no boletim.

“Queríamos explicar para todos piauienses, em relação ao nosso boletim aonde semanalmente lançamos para todo Piauí. Existe um campo que define os curados. O que o estado do Piauí estabeleceu aquele campo de curado? Foi exatamente porque o primeiro paciente que teve confirmação positiva, que entrou no caso de gravidade, internado, que conseguiu sair dessa gravidade, que hoje já está em casa, nós tivemos a oportunidade de realizar o exame dele após a sua alta, e esse exames repetimos por duas vezes e deste exame identificamos a carga viral dele negativa. O que está acontecendo nesse momento? Neste momento o Ministério da Saúde, em nenhum dos seus boletins publicou ainda a definição de casos curados”.

Prefeitura de Piripiri faz campanha contra o coronavírus em carros de som

Prefeitura de Piripiri faz campanha contra o coronavírus em carros de SOM, rádios e nas redes sociais. O objetivo é orientar os piripirienses a permanecerem em suas casas, saindo apenas em caso de urgência, são medidas que devem ser seguidas por todos, afim de que continuemos protegidos do COVID-19

Prefeitura de Piripiri faz campanha contra o coronavirus em carros de SOM, rádios e nas redes sociais #fiquemencasa #DEUSEFIEL

Posted by Zé Resende on Monday, April 6, 2020

Por descumprirem decreto lojas no Piauí são multadas em R$ 9 mil

Em mais uma ação realizada em conjunto pela fiscalização da SDU Sul, agentes da Guarda Municipal e policiais militares foram aplicadas três multadas a empresas que estavam funcionando mesmo com a proibição imposta pelo Decreto 19.573, por conta da pandemia do Covid-19.

Cada uma delas foi multada em R$ 3 mil, totalizando R$ 9 mil em multas, nas operações realizadas entre a tarde de sexta-feira (03) e na manhã de sábado (04). As empresas foram um depósito de bebidas, um posto de gasolina e uma loja de materiais de construções. De acordo com o gerente de Fiscalização da SDU Sul, Rogério Rodrigues, no caso do posto de gasolina a irregularidade foi estar funcionado após as 19h. Já o depósito de bebidas, o motivo foi vender bebida alcoólica no local.

“Neste caso, eles poderiam vender a bebidas alcoólicas, mas pelo delivery. No local somente água de coco e suco, mas também sem gerar nenhuma aglomeração de pessoas”, explicou. A casa de materiais de construção também foi multada por estar aberta ao público. Em todos os três casos as empresas foram interditadas pela fiscalização da superintendência.

Além destes locais, as equipes fecharam cerca de 60 empresas na zona Sul nos últimos três dias. Entre os bairros visitados neste sábado estão o Parque Piauí, Vila Irmã Dulce e o Porto Alegre. “Não podemos esquecer que essa é uma medida muito importante. É um sacrifício que muitos estão fazendo e que vai salvar muitas vidas”, disse.

Argentina bloqueia mil respiradores comprados pelo Ministério da Saúde

 

O governo da Argentina bloqueou a exportação de 1.000 respiradores pulmonares comprados pelo Brasil para instalação em leitos de UTI nos estados para combate ao coronavírus, disse neste sábado, 4, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo. “Argentina fez o que também fizemos (bloquear exportações). Não é uma crítica. Fechou porque ela vai precisar”, disse Gabbardo. Segundo o secretário, uma empresa contratada pelo Brasil para trazer estes equipamentos agora busca novos fornecedores.

O Ministério da Saúde promete a instalação e o custeio de 2 mil leitos de UTI nos Estados. Já foram enviados kits para montar 540. Cada unidade da federação escolhe onde instalar esses leitos com os produtos enviados pelo governo federal.

Gabbardo lembrou que o Brasil também está controlando a exportação de insumos usados contra a covid-19, além de determinar que a produção nacional seja direcionada ao governo.

Segundo o secretário, o governo contratou a produção de 17 mil respiradores com a indústria nacional. A expectativa é de que os produtos sejam entregues em várias parcelas durante 90 dias.

Além destes, há um contrato de R$ 1,01 bilhão para compra de 15 mil respiradores com uma empresa de Macau, uma região administrativa da China. Gabbardo disse que os respiradores devem ser entregues de forma fracionada daqui a 15 dias.

Os respiradores são essenciais para tratar casos graves da covid-19. O Brasil tem 65.411 respiradores nos hospitais públicos e privados, dos quais 61.772 estão em uso e o restante, parado.

A corrida global por equipamentos para a saúde tem feito o SUS perder contratos que estavam fechados para a compra destes produtos. Uma compra de 600 respiradores para estados do Nordeste, assinada pela Bahia, está retida nos EUA. O governo do Maranhão também perdeu contratos e afirma que, por ora, desistiu de tentar trazer produtos da China, como revelou o jornal O Estadão de S. Paulo.

Fonte: Estadão Conteúdo

Morre de acidente de trânsito o cantor e compositor Paulinho Paixão

O cantor e compositor Francisco de Paula Moura 43 anos (Paulinho Paixão) morreu na madrugada desta sexta-feira 03/04, vítima de um grave acidente de moto. O Acidente aconteceu na BR 316, próximo a cidade de Passagem Franca, no estado do Maranhão. O Cantor estava em um veículo modelo Corola, quando teria perdido o controle e acabou capotando o veículo, que ficou com as rodas para cima.

O cantor foi socorrido por populares, tendo apenas ferimentos leves. No entanto, Paulinho Paixão tentou voltar para o local do acidente em uma moto, quando acabou sofrendo um novo acidente, que dessa vez o deixou sem vida. Fonte e vídeo da TV Clube.

Mais informações.

O cantor Paulynho Paixão, 43 anos, morreu em um acidente de moto na madrugada desta sexta-feira (3) na PI-225, próximo a sua cidade natal, São Miguel da Baixa Grande, a 138 Km de Teresina. Horas antes, o cantor sofreu um grave acidente de carro na BR-316 no município de Passagem Franca, no Povoado Santo Antônio.

A morte foi confirmada pelo produtor do cantor, Márcio Show. Paulynho estava na sua cidade, São Miguel da Baixa Grande quando saiu de carro. Após o acidente de carro, o cantor quis voltar ao local do acidente para evitar que as rodas do veículo fossem roubadas. Paulynho caiu da motocicleta antes de chegar ao local.

O cantor e compositor fez muito sucesso interpretando e compondo músicas brega, sendo conhecido nacionalmente.

Paulynho passou por polêmicas envolvendo agressões a namorada e com dependência química. “Ele já tinha parado de usar drogas mas deveria tomar remédio. A única coisa que estava atrapalhando ele era o cigarro e a bebida”, disse o produtor que está em São Paulo.

Segundo o empresário, Paulynho não possuía habilitação para motocicleta.

O velório será na cidade de São Miguel da Baixa Grande. O cantor deixa uma filha.

Foto Ilustração!

Prefeitura de Piripiri, através da Secretaria de Saúde, está fazendo desinfecção de ruas, estabelecimentos, praças e outros

A Prefeitura de Piripiri, através da Secretaria de Saúde, adquiriu equipamentos para promover a desinfecção de ruas, estabelecimentos, praças, dentre outros locais.

Segundo o chefe do departamento de Vigilância Sanitária, Antônio Lindormar, o trabalho será diário e sempre no fim da tarde, realizado por uma equipe capacitada e de acordo com as normas da Vigilância Sanitária.

“Para combater o vírus, montamos equipamentos em pick-ups que estarão fazendo o trabalho expedindo vapores de água com produtos à base de cloro. É um trabalho que também será feito nos transportes públicos como ambulâncias, carros que transportam equipes de saúde, além focar em locais de muito fluxo de pessoas como loterias, mercados, rodoviárias, dentre outros”, disse Lindomar.

Empregado suspenso do trabalho receberá até 100% do seguro-desemprego

O empregador poderá acordar, por meio de negociações individuais ou coletivas, a suspensão do contrato de trabalho com os empregados por até 60 dias, com direito a receber seguro-desemprego. A medida foi divulgada nesta quarta-feira (1º) pelo secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Bianco, como forma de diminuir efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus.

O mecanismo consta da medida provisória de preservação do emprego, a ser enviada pelo governo ao Congresso. Segundo a equipe econômica, o governo gastará R$ 51,2 bilhões com o programa que evita demissões por causa das medidas adotadas no país para evitar uma maior disseminação da covid-19.

As micro e pequenas empresas, que faturam até R$ 4,8 milhões por ano, poderão dispensar temporariamente os funcionários sem pagar nenhuma parte do salário, com o governo bancando 100% do seguro-desemprego ao qual o trabalhador teria direito caso fosse demitido. As negociações individuais valerão para os empregados que ganham até três salários mínimos (R$ 3.135) ou para o trabalhador de nível superior que receba mais de R$ 12.202,12, o dobro do teto da Previdência Social.

As médias e grandes empresas, que faturam mais que R$ 4,8 milhões por ano, terão de bancar 30% do salário durante a suspensão do contrato, com o governo pagando 70% do seguro-desemprego. Os tipos de funcionários que podem aderir às negociações individuais permanecem os mesmos para as empresas de menor porte.

No caso de negociações coletivas, aprovadas em assembleias virtuais pelos sindicatos da categoria, a suspensão com complementação de renda valerá para todos os empregados da empresa. O empregado não precisará pedir o seguro-desemprego. Segundo o secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcomo, o governo depositará automaticamente o valor na conta do trabalhador assim que for notificado da negociação.

O prazo máximo da suspensão dos contratos corresponde a 60 dias. A interrupção do contrato de trabalho precisa ser pactuada por acordo individual escrito entre empregador e empregado, devendo a proposta ser encaminhada ao empregado com antecedência mínima de dois dias corridos. O empregador deverá manter os benefícios pagos aos empregados durante o período de suspensão, como vale alimentação e auxílios, e o empregado não poderá ser requisitado para trabalho remoto ou a distância.

A medida provisória também institui garantia provisória do emprego durante o período de suspensão e após o restabelecimento da jornada por período equivalente ao da suspensão. Ou seja, uma suspensão de dois meses, garante uma estabilidade de quatro meses no emprego.

Jornada reduzida

O empregador também poderá acordar a redução proporcional da jornada de trabalho por até três meses, com diminuição do salário na mesma proporção. Assim como na suspensão, o governo bancará o restante do salário com parte do seguro-desemprego a que o trabalhador teria direito.

A medida provisória prevê três tipos de redução de salário e de jornada: 25% do rendimento, com o governo bancando 25% do seguro-desemprego; 50%, com o governo pagando os 50% restantes; e 70%, com o governo complementando 70% do seguro-desemprego. A redução de 25% pode ser acordada com todos os empregados, individualmente ou coletivamente. As demais diminuições podem ser pactuadas individualmente apenas por quem ganha até três salários mínimos ou por trabalhador com nível superior que receba mais que o dobro do teto da Previdência (R$ 12.202,12) ou coletivamente por todos os funcionários.

A redução de jornada deve preservar o valor do salário-hora de trabalho e está limitada a 90 dias. As demais condições permanecem as mesmas para a suspensão dos contratos: acordo individual escrito entre empregador e empregado, com proposta encaminhada ao empregado com antecedência mínima de dois dias corridos e estabilidade no emprego até o dobro do período de redução (com uma redução de jornada por três meses garantindo o emprego por seis meses).

Acordos coletivos

As atuais convenções ou acordos coletivos de trabalho poderão ser renegociados no prazo de dez dias corridos a contar da publicação da medida provisória. Para evitar aglomerações e acelerar as negociações, as assembleias poderão ser convocadas e realizadas por meios eletrônicos, com os prazos reduzidos pela metade em relação aos trâmites tradicionais.

Caso o empregado tenha fechado acordo individual com a empresa, prevalecerá a negociação coletiva. Se o acordo coletivo estabelecer porcentagens de redução de jornada e de salário diferentes das faixas estabelecidas pela medida provisória, a complementação do seguro-desemprego ocorrerá da seguinte forma: sem benefício emergencial do governo para reduções inferiores a 25%; seguro-desemprego de 25% para redução de jornada e de salário igual a 25% e menor que 50%; seguro-desemprego de 50% para reduções iguais a 50% e menores que 70%; e pagamento de 70% do seguro-desemprego para redução igual ou superior a 70%.

A jornada de trabalho e o salário anteriormente pago serão restabelecidos quando houver a cessação do estado de calamidade pública, o encerramento do período pactuado no acordo individual ou pelo empregador no fim do período de redução.


Fonte: Agência Brasil