Filha de vereador é morta a facadas e companheiro é suspeito do crime

A jovem Evelin Pedrosa Rodrigues, 24 anos, foi assassinada com várias golpes de faca na madrugada deste sábado (29) em plena via pública na cidade de Paulistana, distante 468 Km de Teresina.

O principal suspeito do crime é o companheiro da jovem, identificado como Joab dos Santos Campos, de 26 anos. O delegado Cícero Oliveira, da Delegacia Regional de Paulistana, disse ao Cidadeverde.com que, após o crime,  Joab tentou cometer suicídio. Ele foi levado para o Hospital Regional Justino Luz, em Picos, e está sob custódia policial.

A morte de Evelin chocou a população de Paulistana. Ela era filha do vereador da cidade, Elias Rodrigues (PT). Muito abalado, o parlamentar não conseguiu falar com o Cidadeverde.com, mas lamentou o crime e confirmou  que a jovem era sua filha mais velha.

Segundo a Polícia Civil, Evelin e Joab teriam iniciado uma discussão motivada por ciúmes. Ele estava com uma machado na mão e ela, com uma faca. “A briga começou em casa, mas eles  saíram da residência e o crime ocorreu em uma rua próximo à casa. Apesar dele ter um machado na mão, ele deu um soco nela e, quando ela caiu no chão, pegou a faca e desferiu vários golpes nela. A morte foi imediata”, conta o delegado Cícero, que afirma, ainda, que o crime foi um feminicídio.

Após o crime, Jacob cortou os pulsos e foi encontrado desacordado por policiais ao lado do corpo de Evelin. Apesar da gravidade dos ferimentos, ele foi socorrido.

O casal tem um filho de apenas dois anos de idade. Nas redes sociais, amigos e familiares de Evelin lamentam a morte da jovem e pedem o fim do assassinato de mulheres.

Cicidadeverde.com 

Av. Campos das Palmas, na atua gestão está sendo contempladas com várias obras de grande importância

A avenida Campos das Palmas, na atua gestão municipal de Piripiri, está sendo contempladas com várias obras de grande importância para a cidade,  porém   encontra-se, vez por outra, pessoas jogando lixo.
A Prefeitura está fazendo constantemente a sua parte, contudo é importante que cada cidadão faça também sua.
UM AVISO: material de construção e podação é de responsabilidade do cidadão.

Avião cai na zona rural de Teresina; vídeo mostra aeronave em chamas após a queda

Um avião de pequeno porte, possivelmente um bimotor, caiu na região da Taboca do Pau Ferrado, zona rural de Teresina, nesta sexta-feira (28). O Corpo de Bombeiros foi acionado e enviou três equipes para o local. Vídeos (acima) feitos no local mostram um incêndio em meio à vegetação.

O avião era ocupado por uma pessoa o piloto que morreu no momento da queda.

Uma equipe de combate a incêndio, uma de resgate e outra de socorro estão no local. “Eles acabaram de chegar, ainda não passaram muitas informações”, informou o soldado Campelo, do Corpo de Bombeiros.

Justiça eleitoral pode usar TV e rádio a partir de amanhã (27) para informar eleitores

Conforme o calendário eleitoral para eleições municipais de 2020 aprovado no dia 14 de agosto, a partir dessa quinta-feira(27) até 26 de setembro de 2020 e nos 3 (três) dias que antecedem a eleição, o Tribunal Superior Eleitoral poderá divulgar comunicados, boletins e instruções ao eleitorado, em até 10 (dez) minutos diários requisitados às emissoras de rádio e de televisão, contínuos ou não, que poderão ser somados e usados em dias espaçados, podendo ceder, a seu juízo, parte desse tempo para utilização por tribunal regional eleitoral (Lei n° 9.504/1 997, art. 93).

Veja o calendário eleitoral para última semana de agosto.

28 de agosto sexta-feira, último dia para a realização do Teste de Confirmação das correções aplicadas decorrentes dos resultados obtidos no Teste Público de Segurança ocorrido na semana de 25 a 29 de novembro de 2019.

31 de agosto –segunda-feira, data a partir da qual, até 16 de setembro de 2020, é permitida a realização de convenções destinadas a deliberar sobre coligações e a escolher candidatos a prefeito,vice-prefeito e vereador (Lei n° 9.504/1997, art. 8ºcaput​)

Fonte: TSE

Senado aprova PEC do Novo Fundeb; texto será promulgado nesta quarta, 26

Com 79 votos favoráveis no primeiro e no segundo turno de votações, o Senado Federal aprovou nesta terça-feira (25) a proposta de emenda à Constituição que torna permanente o Fundeb e aumenta seu alcance.  Não houve votos contrários ao texto que entrará na Constituição como a Emenda 108. Ao iniciar a sessão remota, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, afirmou que a reunião era histórica para o país. A PEC 26/2020 será promulgada pelo Congresso Nacional.

Fundeb é o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação. Criado em 2007 de forma temporária, em substituição ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), o Fundeb é uma das principais fontes de financiamento da educação no país.

A PEC aumenta em 13 pontos percentuais a participação da União nos recursos destinados ao Fundo. O texto ainda altera a forma de distribuição dos recursos da União entre os estados.

A PEC 26/2020 começou a tramitar pela Câmara dos Deputados como PEC 15/2015, tendo como primeira signatária a então deputada federal Raquel Muniz (PSD-MG) e como relatora a deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO). Ambas presenciaram a votação no Prodasen, de onde são presididas as sessões remotas do Senado.

— Muito obrigado, Dorinha, relatora da matéria. Muito obrigado, Raquel, autora da matéria, a presença de vossas excelências aqui, no Senado Federal, nesta sessão histórica, nesta votação histórica para o Brasil, em que a gente, de fato, em definitivo, coloca na nossa Carta a valorização da educação do nosso Brasil, do nosso país, dos nossos brasileiros. Teremos todos orgulho da sessão que ora o Senado delibera na sessão de hoje — disse Davi Alcolumbre.

Votação

No Senado, a matéria foi relatada em Plenário pelo senador Flávio Arns (Rede-PR) e foi aprovada da forma como veio da Câmara Federal, com o acréscimo de apenas uma emenda supressiva.

— Os recursos do Fundeb são destinados às redes estaduais e municipais de educação. O Fundeb atende tudo que vem antes da faculdade: creche, pré-escola, ensino fundamental e médio, educação de jovens e adultos, educação profissional, indígenas, quilombolas, educação especial. Trata-se de um dos principais instrumentos de redistribuição de recursos do país, realocando valores no âmbito de cada estado, entre o governo estadual e as prefeituras, para tornar o sistema educacional mais equitativo e menos desigual. Se não fosse o Fundeb, nós teríamos uma grande disparidade de atendimentos no Brasil. O Fundeb é, de fato, o maior instrumento para tornar o Brasil menos desigual — afirmou Flávio Arns durante a leitura de seu relatório.

O texto foi fruto de consenso entre os parlamentares e vem sendo debatido de forma sistemática desde o início de 2019. Foram apresentadas 9 emendas em tempo regimental no Senado, sendo que três foram retiradas. Todos os partidos apoiaram a aprovação da PEC no Senado.

Em 2019, o Fundeb distribuiu R$ 156,3 bilhões para a rede pública. Atualmente, garante dois terços dos recursos que os municípios investem em educação. Cerca de 90% dos recursos do Fundeb vêm de impostos coletados nos âmbitos estadual e municipal, e os outros 10% vêm do governo federal. Os repasses da União não entram no teto de gastos (Emenda Constitucional 95, de 2016).

A PEC torna permanente o Fundeb, que, pela legislação atual, acabaria no fim deste ano; O texto também aumenta dos atuais 10% para 23% a participação da União no Fundo. Essa participação será elevada de forma gradual entre 2021 e 2016: em 2021 a complementação da União começará com 12%; passando para 15% em 2022; 17% em 2023; 19% em 2024; 21% em 2025; e 23% em 2026.

Os valores alocados pelo governo federal continuarão a ser distribuídos para os entes federativos que não alcançarem o valor anual mínimo aplicado por aluno na educação. Da mesma forma, o fundo continuará recebendo o equivalente a 20% dos impostos municipais e estaduais e das transferências constitucionais de parte dos tributos federais.

Os entes federativos deverão usar os recursos do Fundeb exclusivamente em sua atuação prioritária definida na Constituição: os municípios cuidam da educação infantil e do ensino fundamental; e os estados, do ensino fundamental e médio. Assim, o dinheiro não poderá ser aplicado, por exemplo, em universidades, pois o ensino superior é de responsabilidade prioritária do governo federal.

Atual distribuição de recursos

Atualmente, o valor mínimo nacionalmente definido no Fundeb (valor anual por aluno – VAA) é calculado da seguinte forma: primeiro é estipulado o montante da complementação da União. O valor mínimo atual é de 10% do total dos fundos — a União tem repassado nos últimos anos apenas o valor mínimo.

Esse dinheiro é primeiramente destinado ao fundo de menor valor per capita até que esse valor se iguale ao de segundo menor valor; o restante da verba federal é, em seguida, destinado a esses dois fundos até que os valores se igualem ao terceiro menor fundo, e assim por diante – até o esgotamento dos recursos.

O VAA para 2020 foi estipulado em R$ 3.643,16. Essa fórmula de cálculo fez com que nove estados recebessem complementação: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco e Piauí.

Modelo híbrido de distribuição

A PEC estabelece um modelo híbrido de distribuição entre os fundos. Os primeiros 10 pontos percentuais do dinheiro da União serão distribuídos como no cálculo atual de distribuição.

Outros 10,5 pontos percentuais da participação da União serão destinados às redes de ensino que não alcançarem um nível de investimento mínimo por aluno, considerando-se no cálculo desse valor mínimo não apenas os recursos do Fundeb (único critério existente hoje) mas a disponibilidade total de recursos vinculados à educação na respectiva rede.

Desses 10 pontos percentuais, pelo menos 5 pontos deverão ser destinados à educação básica — se for o caso, inclusive para escolas comunitárias, confessionais ou filantrópicas. A medida terá grande impacto, já que a educação infantil concentra a maior demanda não atendida pela rede pública no país.

Critérios de qualidade

Os outros 2,5 pontos percentuais de participação da União (totalizando os 23% da complementação deste ente) serão distribuídos às redes públicas que melhorarem a gestão educacional e seus indicadores de atendimento escolar e aprendizagem, com redução das desigualdades. Esses critérios ainda serão regulamentados por lei.

Melhoria em infraestrutura

A PEC prevê que, dentro da nova parcela da complementação federal, 15% desse dinheiro seja destinado para despesas de capital – para investimentos em infraestrutura, melhoria de equipamentos e instalações – e não somente gasto com despesas correntes.

Segundo dados do Censo Escolar 2018, 12% das escolas da rede pública não têm banheiro no prédio; 33% não têm internet; 31% não têm abastecimento de água potável; 58% não têm coleta e tratamento de esgoto; 68% não têm bibliotecas; e 67% não possuem quadra de esportes.

O Custo Aluno-Qualidade (CAQ), constante no Plano Nacional de Educação, será considerado como parâmetro para o padrão mínimo de qualidade do ensino. Flávio Arns defende a adoção do CAQ como parâmetro: “trata-se de inovação consentânea com os debates mais avançados em matéria de financiamento da educação, segundo os quais o critério básico para alocar os recursos deve ser o da garantia dos insumos indispensáveis ao processo de ensino-aprendizagem”, diz.

Valorização dos profissionais

Ainda dentro da nova parcela de complementação de recursos da União, no mínimo outros 70% serão destinados ao pagamento de salários dos profissionais da educação. Atualmente esse piso é de 60% e beneficia apenas professores.

Flávio Arns lembra que atualmente quase todas as redes de ensino já destinam esses 70% do fundo para os salários. A intenção da norma é preservar essa destinação.

Distribuição dentro dos fundos estaduais

A PEC prevê ainda que os entes federados, uma vez recebida a complementação da União, devam redistribuir os recursos entre suas unidades de ensino, para diminuir desigualdades no âmbito de uma mesma rede de ensino.

ICMS

A PEC também prevê que os estados aprovem legislação, no prazo de dois anos a partir de sua promulgação, para distribuir entre os municípios parte dos recursos do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) com base em indicadores de melhoria nos resultados de aprendizagem e de aumento da equidade.

Atualmente os estados repassam parte do ICMS arrecadado (25%) às cidades. A PEC diminui o total repassado proporcionalmente às operações realizadas no território de cada município e aumenta o mesmo tanto no repasse que nova lei estadual deverá vincular às melhorias na educação.

Alterações na Constituição

A proposta altera ainda o artigo da Constituição que define os princípios do ensino, incluindo a garantia do direito à educação e à aprendizagem ao longo da vida.

Também foram incluídos os termos “a qualidade e a equidade” como metas a serem perseguidas pelos sistemas de ensino, atuando em regime de colaboração.

Relatório

Flávio Arns rejeitou as emendas apresentadas no Senado ao alegar que elas podem ser abarcadas na regulamentação posterior da matéria (a chamada lei do Fundeb) e também para que o texto não tenha que voltar para análise da Câmara. “Tendo em vista que muitos desses temas suscitados serão mais adequadamente tratados na lei de regulamentação, e considerando também o risco de promovermos alterações que possam descaracterizar algumas das medidas veiculadas pela PEC, redundando no retorno da matéria à Casa iniciadora — com risco de expiração do prazo do atual Fundeb e prejuízo a todo o sistema público de ensino básico —, nos manifestamos pela manutenção do texto aprovado na Câmara dos Deputados”, afirmou.

Ele só acrescentou uma emenda de sua própria autoria ao texto excluindo o inciso 4 do artigo art. 212-A da Constituição (artigo novo proposto pela PEC). O texto permitia que parcela dos recursos da complementação da União ao Fundeb fosse dirigida a escolas comunitárias, confessionais ou filantrópicas. Flávio Arns alega que tal distribuição já consta no artigo 213 da Constituição.

Para ele, os limites e o alcance dessa questão devem ser definidos na lei do Fundeb, sem a necessidade de qualquer acréscimo sobre esse tema no texto constitucional. “Assim, evitamos insegurança jurídica quanto à possibilidade de interpretações diversas sobre o assunto, e prevenimos que haja dispositivo prescindível na Carta Magna”, defendeu.

Importância

O senador ressalta a atual importância do Fundeb: “trata-se de um dos principais instrumentos de redistribuição de recursos do país, realocando valores no âmbito de cada estado, entre o governo estadual e as prefeituras, para tornar o sistema educacional mais equitativo e menos desigual”.

O Fundeb atualmente representa 63% do investimento público em educação básica. Ele diz que, se o fundo não existisse, estima-se que os valores mínimos de aplicação em educação girariam em torno de R$ 500 por aluno/ano nos municípios mais pobres do Brasil. Com o Fundeb atual esse investimento é de cerca de R$ 3.600 reais.

Com a PEC, estima-se que esse valor aumente cerca de 50% até 2026, passando para cerca de R$ 5.500.

De acordo com Arns, o Fundeb, cujo principal mérito já é a distribuição regional de recursos, será ainda mais equitativo com a PEC: “esse modelo permitirá maior capilaridade na distribuição dos recursos, fazendo com que eles cheguem às redes de ensino que mais necessitam, independentemente do estado da Federação onde elas se encontrem”.

Ele cita estudo realizado pela Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados que aponta que a adoção desse novo critério trará aumento estimado, até 2026, de 54% das redes de ensino beneficiadas pela complementação da União (que passarão a ser 2.618 em comparação com cerca de 1.700 redes hoje atendidas). O número de alunos contemplados pelo aporte federal subirá para 17,5 milhões. Essa ampliação da cobertura beneficiará estudantes de redes de 24 estados da Federação, 15 a mais do que os 9 estados abarcados atualmente.

De acordo com o senador, o “novo Fundeb” traz a inovação “de criar um mecanismo de distribuição dos recursos já vinculados à educação, a partir do número de matrículas efetivadas na rede estadual e nas redes municipais, de modo que o recurso vá para onde o aluno está”.

 — Cuidemos de nossas crianças, cuidemos de nosso futuro, instituindo um novo Fundeb permanente, financeiramente robusto e com um compromisso solidário dos três níveis federativos no sentido de garantir educação de qualidade a todos — disse Arns.

Financiamento

A cesta de recursos do Fundeb é composta de 20% das receitas provenientes das seguintes fontes, as quais foram mantidas pela PEC: Fundo de Participação dos Estados (FPE); Fundo de Participação dos Municípios (FPM); Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS); Imposto sobre Produtos Industrializados, proporcional às exportações (IPIexp); Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doações (ITCMD); Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA); e cota-parte de 50% do Imposto Territorial Rural (ITR) devida aos municípios.

Ficam de fora do fundo 5% dos referidos impostos e transferências, embora continuem vinculados à educação, além de 25% dos impostos municipais próprios (Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) e Imposto sobre Serviços (ISS), bem como o Imposto de Renda retido na fonte de servidores públicos estaduais e municipais.

Proposta de Emenda à Constituição

Uma PEC pode ser apresentada pelo presidente da República, por um terço dos deputados federais ou dos senadores ou por mais da metade das assembleias legislativas, desde que cada uma delas se manifeste pela maioria relativa de seus componentes. Não podem ser apresentadas PECs para suprimir as chamadas cláusulas pétreas da Constituição (forma federativa de Estado; voto direto, secreto, universal e periódico; separação dos poderes e direitos e garantias individuais).

A PEC é discutida e votada em dois turnos, em cada Casa do Congresso, e é aprovada se obtiver, na Câmara e no Senado, três quintos dos votos dos deputados (308) e dos senadores (49) em cada turno.


Fonte: Agência Senado

Homem morre após grave colisão entre duas motocicletas

Na tarde desta quarta feira, dia 26, um grave acidente entre duas motocicletas deixou uma pessoa morta na cidade de Piracuruca, município localizado à  208 km de Teresina.

Uma moto pop 100 e uma Biz teriam colidido na Avenida Senador Gervásio, próximo ao Posto de combustível Padre Cícero. No acidente de trânsito, um dos motociclistas envolvidos veio à óbito ainda no local. Já o outro condutor, fugiu do local sem prestar socorro.

O acidente gerou grande aglomeração no local.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) ainda foi acionado por alguns populares, mas o homem, que não foi identificado, já estava sem vida. Até o momento não se sabe as causas do acidente. O caso será investigado.

Fonte: Meionorte.com.

Enfermeira de Piripiri sofre acidente na estrada de Pedro II

Na manhã deste domingo(23), foi registrado  capotamento de um veículo modelo HB20 na PI 216, que liga Pedro II à Piripiri-Piauí. O acidente aconteceu por volta das 07:00h da manhã na altura do pé de manga já chegando ao matadouro público, segundo informações repassadas a nossa reportagem, quem conduzia o veículo era uma enfermeira que trabalha em Pedro II, a mesma estava retornando para Piripiri onde reside, após ter finalizado o seu plantão de atendimento num hospital da cidade, quando a mesma retornava em seu automóvel modelo Hyundai HB20 de cor branca, tentou desviar de um cachorro que se encontrava no meio da pista e acabou perdendo o controle do veiculo, saindo da pista e vindo a capotar.

Em entrevista, a mãe da jovem, comentou que estava numa missa em Piripiri quando ficou sabendo do ocorrido, imediatamente se deslocou até o local do acidente, felizmente sua filha passa bem, estava apenas sentindo dores nas costa além de se encontrar em choque pelo o acidente sofrido .

Fonte: FM Imperial / Foto: P2.com

Companhia aérea da Itapemirim começará a voar com 10 Airbus 320

Empresa iniciará em breve o processo de seleção de 600 funcionários, entre eles 170 pilotos e 300 comissários

A ITA Transportes Aéreos, nova companhia aérea nacional que está sendo criada pelo grupo Itapemirim, vai iniciar suas operações em 2021 usando o Airbus 320. Segundo o CEO da empresa, Tiago Senna, a carta de intenção para o leasing das aeronaves (LOI) já foi assinada.

“Temos alguns aviões na Europa e um par de aviões na Índia. A Índia está fechada, está em lockdown, então estes estão complicados de buscar”, afirmou o CEO em entrevista ao canal ASA Aviation no YouTube. Já as aeronaves na Europa serão trazidas após estarem pintados e terem sua configuração interior definida.

Os aviões serão pintados de amarelo, cor tradicional dos ônibus do grupo, com cauda preta e a logo do grupo. As bases de operação iniciais serão nos aeroportos de Guarulhos (SP), Galeão (RJ) e Brasília. Inicialmente a empresa focará em voos entre as capitais.

Segundo o executivo a escolha por aviões da Airbus, e não da Brasileira Embraer, foi feita devido a planos para expansão futura, bem como ganhos em eficiência operacional com a padronização da frota: “Toda empresa pensa em crescer e já foi demonstrado no mundo inteiro que frota única é rentável e muito mais fácil de lidar. Então, se estou trabalhando com uma frota única de Airbus e se começarmos a ter uma demanda maior de mercado que justifique um avião maior, consigo crescer na linha Airbus em número de assentos, o que não me acontece com a linha Embraer”, disse.

A empresa espera contratar inicialmente 600 funcionários, entre eles 170 pilotos e 300 comissários. O domínio do idioma inglês será um requisito obrigatório para todas as vagas. O processo de seleção deve começar em breve, e será anunciado nas redes sociais da empresa.

Fonte: Olhar digital

Jornalista Tony Trindade é suspeito de tentar atrapalhar operação da PF sobre desvio de dinheiro

A Polícia Federal prendeu o jornalista Tony Trindade na manhã desta terça-feira (18), em sua residência, localizada na zona sul de Teresina. Ele é o principal alvo da “Operação Acesso Negado”, deflagrada hoje. Outro mandado de busca e apreensão foi cumprido no sítio do jornalista, na cidade de Monsenhor Gil.

A operação investiga atos ilegais de intervenção e embaraçamento a Operação Delivery que apura desvio de recursos públicos do Fundeb destinado ao município de União. Vale destacar que Tony presta assessoria ao prefeito Paulo Henrique, do município de União.

NOTA À IMPRENSA

A assessoria de imprensa do jornalista Tony Trindade considera oportuno esclarecer fatos a respeito da Operação “Acesso Negado”, deflagrada nesta terça-feira (18) pela Polícia Federal, em Teresina, Monsenhor Gil e União e que resultou na prisão preventiva do jornalista.

Conforme nota divulgada pela própria PF, a operação investiga “atos ilegais de intervenção/embaraçamento” à investigação de desvios de recursos públicos destinados à educação na cidade de União, cabe ressaltar que na qualidade de apresentador de programa de televisão e colunista de jornal, Tony Trindade ao veicular fatos da operação, apenas fez o seu dever de jornalista e formador de opinião.

O mandado de prisão preventiva a título de frear a divulgação de informação soa descabido e desproporcional, uma vez que o jornalista sequer foi ouvido pela autoridade policial antes da condução.

É temoroso ao exercício profissional, que jornalistas sejam presos por relações com suas fontes, relações essas que são asseguradas pela própria Constituição Federal.
Tony Trindade coloca-se à disposição das autoridades, certo de que atos ilegais não prosperarão com o aval da justiça.

Assessoria de imprensa

Operação

Nesta fase da investigação estão cumpridos de um mandado de prisão preventiva e dois mandados de busca e apreensão contra o principal alvo da operação, que tem endereço em Teresina e um sítio em Monsenhor Gil. Os policiais cumprem ainda mais três mandados de busca e apreensão em Teresina, expedidos pela Justiça Federal de Teresina.

De acordo com a PF, durante a Operação Delivery foram identificados atos escusos relacionados a encontros obscuros com agentes públicos com o objetivo de obter informações sigilosas, acesso indevido a processo judicial sigiloso, convergência e manipulação de versões, atos intimidatórios no sentido de frustrar a investigação policial, dentre outros fatos.

O objetivo do cumprimento das medidas judiciais é colher elementos materiais de prova e que identifiquem terceiros responsáveis por fornecer indevidamente informações de caráter sigiloso.

Os investigados poderão responder, na medida de suas culpabilidades, pelo crime de embaraço a investigação policial de crime praticado por organização criminosa (art. 2º, §1º da lei 12.850/13) cuja pena pode chegar a 8 anos de reclusão.

O nome da operação faz referência à conduta daqueles que obtém acesso ilegal a informações resguardadas pelo sigilo. Fonte: Gp1.

Menina de 8 anos é raptada e sofre tentativa de estupro em Teresina

Uma menina de apenas 8 anos foi raptada por um homem em uma motocicleta, na manhã desta segunda-feira (17), no bairro Santa Clara, zona sul de Teresina. A menina foi levada para um matagal onde o acusado tentou estuprá-la, mas ela conseguiu escapar sem que fosse violentada e retornou para casa.

De acordo com a Polícia Militar, a vítima relatou que estava na porta de casa, quando foi abordada pelo homem que a colocou na garupa da moto e a todo tempo a ameaçava de morte. Ao chegar em um matagal, nas proximidades da região onde foi raptada, o acusado desceu da motocicleta e jogou a vítima no chão, que conseguiu fugir do local e pediu ajuda a moradores.

O CPU da Companhia Independente de Policiamento do Promorar, sargento Carvalho, informou que a criança já está em casa com familiares e não sofreu violência sexual. “De antemão, ela mesmo retornou para a residência. Nós estamos aguardando a viatura que está na ocorrência em diligência atrás do suspeito”, pontuou.

Em entrevista ao GP1, o capitão Sousa Lima, comandante da Companhia Independente do Promorar, informou que a criança já se encontra em casa com familiares, e que diligências estão sendo feitas para prender o suspeito.

“Sim, tivemos essa ocorrência no final da manhã de hoje, mas a criança conseguiu se desvencilhar do acusado, e já está em casa. Nossa equipe esteve no local, e nesse momento realiza buscas na região para tentar localizar o homem”, afirmou o Sousa Lima.

O caso será investigado pela Polícia Civil, que vai buscar imagens e colher informações que possam identificar o suspeito.